A inclusão de tecnologias digitais na educação: (re)construção da identidade profissional docente na prática

Paula Alves Quadros-Flores, Manuela Raposo-Rivas

Resumen


A inclusão de Tecnologias da Informação e da Comunicação na educação impulsionou uma dinâmica de reconstrução de paradigma, pelo que urge refletir a Identidade Profissional Docente nesta era de mudança compreendendo o modo como as escolas estão a responder à integração das TIC e como os professores têm renovado as suas práticas. O estudo teve enfoque numa região de Portugal, envolvendo cerca de 2000 professores do 1º Ciclo do Ensino Básico. Optou-se pela realização de dois questionários: um de formato mais generalista para tratamento quantitativo e outro centrado nas boas práticas, para tratamento qualitativo. Verificou-se que existe uma dinâmica que impulsiona um movimento positivo na utilização de ferramentas digitais à qual os professores e escola começam a responder, mas concluiu-se que a inclusão de tecnologias digitais desenha etapas para a recriação pedagógica, pelo que existem escolas e professores ainda num patamar básico de descoberta adaptando a metodologia tradicional aos novos recursos e outros, já numa etapa de mudança, de recriação de práticas educativas com novas metodologias. Conclúese também uma visão clara do modo como vivem os professores a sua profissão num tempo que exige renovação da identidade profissional docente é a alavanca para a mudança na educação

Palabras clave


Tecnologias da Informação e da Comunicação, identidade profissional docente, renovação pedagógica, pratica em sala de aula, inovação.

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Abreu, M. (2002). Cinco Ensaios sobre Motivação. Coimbra: Almedina.

Area, M. (2007). A escola no labirinto tecnolóxico. En Cid, J.M & Rodríguez, J. (Org.). A Fenda Dixital e súas implicacións educativas (pp. 39-66). Galicia: Escola Nova Galega,

Area, M. (2008). Educar en la sociedad de la información. Alfabetización y TIC JITE08. https://goo.gl/9yWBWo.

Cabero, J. & Román, P. (2006). La formación en Internet: variables críticas. E-actividades. Un referente básico para la formación en internet (pp. 11-22). Sevilla: Eduforma.

Carneiro, R. & Rodrigues, N. (2007). A sociedade da informação e a desigualdade: um retrato português. In Dias Coelho (Coord.) Sociedade da Informação – o percurso português (pp. 294-317). Lisboa: Edições Sílabo.

Castells, M. (2007). A era da informação: economia, sociedade e cultura - O Fim do milénio (Vol. II). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Cirujano, A. (2004). Desigualdades y desarrollo tecnológico en el contexto cultural de las sociedades postindustriales. En Tecnología para transformar la educación (pp. 79-103). Madrid: Universidad Internacional de Andakucía/AKAL.

Costa, F. (Coord.) (2008). Competências TIC. Estudo de Implementação (Vol.I). Lisboa: GEPE/ME. https://goo.gl/Lh9tZt.

Hargreaves, A. (1998). Os professores em tempos de mudança. Alfragide: McGraw-Hill.

Hill, M. & Hill, A. (2000). Investigação por questionário. Lisboa: Edições Sílabo.

Monereo, C. & Fuentes, M. (2005). Aprender a buscar y seleccionar en Internet. In Internet y competencias básicas: aprender a colaborar, a comunicarse, a participar, a aprender (pp. 27-50). Barcelona: Graó.

Marcelo, M. (2009). Desenvolvimento Profissional Docente: passado e futuro. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, 8, 7-22. https://goo.gl/vU8HAB.

Martín-Laborda, R. (2005). Las nuevas tecnologías en la educación. Madrid: Fundación AUNA. https://goo.gl/rWbWYf.

Ministério da Ciência e da Tecnologia (1997). Livro Verde para a sociedade da Informação em Portugal: Missão para a Sociedade da Informação. Lisboa: M.S.I.

Moore, A. (2004). Diseño de comunidades de aprendizaje avanzado – la historia del Virginia Tech. En Epper y Bates (Orgs.). Enseñar al profesorado cómo utilizar la tecnología – Buenas prácticas de instituciones líderes (pp. 101-115). Barcelona: Editorial UOC,

Pink, D. (2006). A nova inteligência. Alfragide: Academia do livro.

Ponte, J. & Serrazina, L. (1998). As Novas Tecnologias na Formação Inicial De Professores. Lisboa: Departamento de Avaliação.

Autora. (2016).

Ramos, J., Carmo, M., Fernandes, I., Leask, M. Y Younie, S. (2001). A Escola que aprende: um estudo múltiplo de casos no âmbito da utilização educativa das TIC em escolas europeias. O caso português. Revista Inovação – Novas Tecnologias na Educação, 14(3) 97-118. Lisboa: IIE.

Roig, A. & Illera, J. (2005). Aprender a comunicarse a través de Internet. En Charles Monereo (Coord.). Internet y competencias básicas: aprender a colaborar, a comunicarse, a participar, a aprender (pp. 73-91). Barcelona Editorial GRAÓ.

Sancho Gil, J. (2006). De tecnologías de la información y la comunicación a recursos educativos. Tecnologías para transformar la educación, (pp. 15-49). Madrid: Universidad International de Andalucía/AKAL.

Silva, M. (2006). Sala de aula Interactiva. Rio de Janeiro: Quarteto Editora.

Tardif, J. & Faucher, C. (2010). Um conjunto de balizas para a avaliação da profissionalidade dos professores. O pólo de excelência – Caminhos para a avaliação do desempenho docente (pp. 32- 53). Maia: Areal Editores.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 REVISTA PRÁCTICUM

________________________________________________________________________________________

Revista Prácticum ISSN (2530-4550) editada por La Asociación para el Desarrollo del Prácticum y de las Prácticas Externas: Red de Practicum (REPPE) (Registro 2016/020831-1ª). Licencia Creative commons 3.0