A prática de ensino supervisionada na formação inicial de professores do 1º ceb: dinâmicas na UTAD

Natália Lopes, Ana Maria Bastos

Resumen


Hoje, mais que nunca, os professores têm de estar preparados para responder às necessidades da sociedade. Nesse sentido, a dinâmica da prática de ensino supervisionada dos futuros professores pode ser a chave para possibilitar uma maior aproximação às exigências sociais e da educação, pois coloca-os em contacto com o contexto real das escolas. Esta é uma oportunidade única e imprescindível para o futuro professor contactar com a realidade do dia-a-dia e conhecer o contexto no qual escolheu trabalhar.

Ao Longo diversos como anos Cursos OS Diretrizes Curriculares Formação Professores iniciais TEM sofrido, Na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), reformulações Varias levantando Possibilidade de Ações nenhum sentido de estender a Prática na Formação do professor, permitindo anos Experiência Estudantes para fazer Trabalho com professor Atividades VAO que dá espaço para a sala de aula Alem e fazer Conteúdo específico. Achamos importantes Experiência Explanar ou dez sido não fazer Estágio campo, atualmente chamado Prática de ensino supervisionada, universidade e refletir Nesta prestes a fazer MESMO importância, considerarmos ESSA Prática essencial na Formação futuro do Professor.

Nós relatamos apenas dinâmicas impressas em uma parte respeitosa para a prática supervisionada do 1º ciclo de Educação Básica, dois cursos diferentes no 1º ciclo, por ser um contexto que, em nossa experiência, teve impacto. Reflexionamos sobre a prática do ensino supervisionado como premissa essencial e incontestável na formação de um futuro professor porque uma abordagem e envolvimento em um domínio escolar permite que você perceba os desafios que você terá que oferecer, você terá que fazer mais precisão para professão verá a exercer, integrando os vários componentes do conhecimento, como saber ou saber como ser o saber fazer e obtendo (em) formações e trocas de experiências.

Palabras clave


Prática de Ensino Supervisionada, Estágio, formação de professores, 1º ciclo do ensino básico

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Alarcão, I. & Canha, B. (2013). Supervisão e Colaboração. Uma relação para o desenvolvimento. Porto: Porto Editora.

Albuquerque, A. ; Graça, A. ; Januário, C. (2005). A supervisão pedagógica em Educação Física – A perspetiva do orientador de estágio. Editora: Livros Horizonte.

Amorim, T., Freitas, T. & Wanderley, L. (1994). Estágio universitário: problema ou solução? In V ENAGRAD – Encontro Nacional dos Estudantes de Graduação, ENAGRAD, Piracicaba.

Bertelli, L. (2002). Estágios de Estudantes. In Boorg, G. (Coord). Manual de Gestão de pessoas e equipes. São Paulo: Editora Gente.

Bianchi, A. C. M.; Alvarenga, M.; Bianchi, R. (2009). Manual de Orientação: Estágio Supervisionado. 1ª Ed. São Paulo: Cengage Learning.

Caires, S. & Almeida, L. (2000). Os estágios na formação dos estudantes do ensino superior: tópicos para um debate em aberto. Revista Portuguesa de Educação, 13 (2), pp. 219-241.

Caires, S. (2003). Vivências e percepções do estágio pedagógico: a perspectiva dos estagiários da Universidade do Minho. Dissertação de Doutoramento, Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, Portugal.

Ferreira, C. A.; Bastos, A. M. (2015). O portefólio no contexto do estágio no 1º ciclo do ensino básico: um instrumento orientador e regulador da aprendizagem dos futuros professores. In Raposo-Rivas, M.; Muñoz Carril, P.C. Zabalza-Cerdeiriña, M.; Martínez-Figueira, M.E.; Pérez-Abellás, A. Documentar y Evaluar la experiencia de los estudiantes en las prácticas. Poio 2015. (pp. 935-944). Santiago de Compostela: Andavira.

Filho, A. P. (2010). O Estágio Supervisionado e sua importância na formação docente. Revista P@rtes. dezembro. Disponível em: http://www.partes.com.br/2010/01/04/o-estagio-supervisionado-e-sua-importancia-na-formacao-docente/ Acedido a 26 de outubro de 2017.

Formosinho, J.; Machado, J. & Mesquita, E. (2015). Formação, trabalho e aprendizagem. Tradição e inovação nas práticas docentes. Lisboa: Edições Sílabo.

Imbernón, F. (2014). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez.

Lebre, E. ; Bento, J. (2004). Professor de Educação Física – Ofícios da Profissão (Homenagem ao Professor Alfredo Faria Júnior pelos 40 anos de docência).Ed: Saúde e Sá – artes gráficas.

Kulcsar, R. (1991). O estágio supervisionado como atividade integradora. In Fazenda, I.C.A. [et all]; Piconez, S.C.B. (Coord.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. Campinas-SP: Papirus.

Marques, A. (2007). MeIntegra – Mercados e estratégias de inserção profissional: Licenciados versus empresas da Região Norte Relatório Final. Coleção DS/CICS. Minho: Universidade do Minho. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/8633. Acedido a 12 de novembro de 2017.

Oliveira, S. (2009). Estágios para Universitários: representações e implicações na inserção profissional dos jovens brasileiros e franceses. Dissertação de Doutoramento, Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil.

Ryan, G., Toohey, S. & Hughes, C. (1996). The purpose, value and structure of the practicum in higher education: a literature review. Higher Education, 31, pp. 355-377.

Sá-Chaves, I. (2000). Formação, Conhecimento e Supervisão. Contributos nas Áreas de Formação de Professores e de Outros Profissionais. Aveiro: Universidade de Aveiro/CIDTFF.

Santos, R. (2012). Supervisão Pedagógica. Visão crítica de um percurso. Estoril: Prime Books.

Silva, A. (2008). Características do comprometimento de estagiários com organizações de trabalho. Dissertação de Mestrado, Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil.

Legislação

Decreto-Lei n.º 6/2001 de 18 de janeiro que define os princípios orientadores a que deve obedecer a organização e gestão do currículo, nomeadamente, a coerência e sequencialidade entre ciclos do ensino básico. Diário da República n.º 15/2001, Série I-A de 18 de janeiro de 2001.

Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho que estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão dos currículos, da avaliação dos conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos dos ensinos básico e secundário. Diário da República, 1.ª série — N.º 129 — 5 de julho de 2012.

Decreto-Lei n.º 91/2013 de 10 de julho que estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão dos currículos dos ensinos básico e secundário, da avaliação dos conhecimentos a adquirir e das capacidades a desenvolver pelos alunos e do processo de desenvolvimento do currículo dos ensinos básico e secundário. Diário da República n.º 131/2013, Série I de 10 de julho de 2013.

Decreto-Lei n.º 79/2014 de 14 de maio que aprova o regime jurídico da habilitação profissional para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário. Diário da República, 1.ª série — N.º 92 — 14 de maio de 2014.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 REVISTA PRÁCTICUM

________________________________________________________________________________________

Revista Prácticum ISSN (2530-4550) editada por La Asociación para el Desarrollo del Prácticum y de las Prácticas Externas: Red de Practicum (REPPE) (Registro 2016/020831-1ª). Licencia Creative commons 3.0